dokdo

Dados Audiovisuais

Dokdo, Beautiful Island of Korea

Consciência da população coreana sobre a invasão japonesa

home > Dados Audiovisuais > Dokdo foi o primeiro território coreano a ser vítima da agressão japonesa > Consciência da população coreana sobre a invasão japonesa

print facebook twitter Pin it Post to Tumblr

Sinhan Minbo

“Oho Guhan Isaui (Ai! A antiga Coreia morreu)”, Sinhan Minbo (21 de setembro de 1910)

〔Tradução〕

Editorial
“Oho Guhan Isaui (Ai! A antiga Coreia morreu)”
Ai! A antiga Coreia morreu.
O céu caiu e o chão se abriu. Com o coração esmagado e lágrimas de sangue correndo pelo rosto, mal posso falar. A Coreia é uma nação que existiu durante 4243 anos e cujo território é de 82 mil bangri**. É uma nação de 20 milhões de compatriotas e de grande importância na civilização oriental. Quem teria imaginado que essa nação se extinguiria sob a espada de invasores japoneses? Lástima! A Coreia morreu. E logo nas mãos de quem? Ela foi assassinada pelas mãos do nosso pior inimigo, os japoneses. Não poderemos esticar as pernas confortavelmente à noite para dormir em paz e nem ter com os outros de cabeça levantada até o dia de vingarmos o nosso inimigo.

Como poderemos nós, súditos a 12 mil li da pátria desabafar nossa dor e indignação ao ouvir tal notícia? Podemos suplicar ao Céu e à Terra, mas de nada adiantará. É preferível nos privarmos de nossa própria vida a ouvir tal notícia, mas quem será capaz de recuperar o nosso território, senão nós mesmos? Com essa dor e indignação no coração, devemos fechar os olhos para o resto e prepararmos a vingança. Não há mais nada a lamentar e não há mais motivos para hesitações. Não hesitemos e vamos às ruas. Levemos espadas, armas e canhões para aniquilar o pior dos inimigos, inimigo mais detestável do que aqueles que mataram nossos pais, o inimigo que matou a nossa nação. Se cada um de nós matar dois, os invasores japoneses serão facilmente aniquilados na nossa terra. E isso é dever de todo ser humano dotado de juízo. É certo que o farão com prazer, sem dúvida alguma.

Como diz o velho ditado: “mesmo tendo sido levado por um tigre, é possível sobreviver se mantivermos o juízo”. Se nos mantivermos acordados e com juízo, certamente aparecerão oportunidades de escapar. Súditos coreanos, mantenham o juízo! Bravos descendentes de Dangun, estejam acordados. Mantendo o juízo, sobreviveremos, mas não haverá esperança no caso contrário. Tudo o que nós podemos fazer é mantermo-nos firmes e acordados e prepararmo-nos o quanto antes para derramar nosso sangue lutando.

Segundo os artigos jornalísticos vindos da Coreia e os comunicados alemães, sabemos que nossos compatriotas estão detidos por soldados japoneses em pontos estratégicos localizados a 10 li um do outro, e que as ruas da capital estão desertas e silenciosas, preenchidas apenas pelo ruído de espadas e escudos de soldados e policiais japoneses. Pensando na situação em que se encontram os nossos compatriotas, enfurecidos, porém confinados nas mãos dos inimigos sem mesmo poder respirar à vontade, não há como não ter o coração esmagado e não chorar lágrimas de sangue.
Estrangeiros, que não têm relação alguma conosco, dizem que o povo coreano é letárgico e que, mesmo tendo sofrido a injúria de ter sido anexado ao Japão, continua de braços cruzados. Se eles dizem isso, é porque se deixaram enganar por palavras dissimuladas dos japoneses e não foram capazes de observar a verdade sobre os coreanos. Mas nós conhecemos a situação dos nossos compatriotas na terra natal como se estivéssemos vendo com os nossos próprios olhos. A ira dos nossos compatriotas atingiu o ápice, e, no dia em que ela estourar, abalará o mundo como pólvora ao tocar uma chama. Nossos compatriotas na Coreia são essa pólvora e nós, essa chama. Um dia, hemos de nos encontrar e esse dia será o estopim. Isso não é apenas XXX da minha parte, e não há outra escolha aos vinte milhões de coreanos.
Nós juramos nunca nos ajoelhar diante do Imperador do Japão, nunca obedecer às leis japonesas e nunca nos tornar escravos dos japoneses. Precisamos urgentemente de nos unir num só coração, fortificar as organizações coreanas, e estabelecer nossas leis para governar com autonomia e um governo provisório que se enquadre com as práticas das leis internacionais, sob as quais governos provisórios são permitidos.

* Sinhan Ilbo é um jornal publicado por coreanos residentes nos Estados Unidos.
** Unidade antiga de medida de área
*** “XXX” representa uma palavra ilegível no texto original.

〔Texto Original〕

Original Text